O vinho é sinal de alegria, amor e festa



Queridos irmãos e irmãs, estamos celebrando o 2º Domingo do Tempo Comum, que é o período de fazermos uma caminhada e revivermos os principais momentos do Mistério da nossa Salvação.

Estamos diante da  a imagem do Casamento, que é o ápice da relação de amor do esposo que é  (Deus) fez com o seu Povo escolhido, a esposa. Vimos isso no episodio nas Bodas de Caná. Esta liturgia nos faz entrar na festa da grande alegria, pois é Deus que sempre garante a festa para nós, lugar que nós encontramos com todos e com Deus.

No livro do Profeta Isaias, temos a imagem do Casamento que nos mostra de modo maravilhoso a relação que existe entre Deus que caminha conosco com a humanidade toda. O nosso Deus é um Deus presente. Podemos dizer que Deus fez uma aliança de um casamento com seu Povo, Israel. Muitas vezes a esposa se afasta de Deus, buscando outros amores menores como adorar outros deuses que passa , enganando-se e dando-nos uma falsa impressão de verdade e felicidade.. (cf. Is 62,1-5)

Na primeira carta de São Paulo aos Coríntios, nos fala dos carismas e dos dons que são dados a nós e isso é para demonstrar que o Amor de Deus continua se manifestando a nós. Deus sempre é fiel. Deus destina a todos os seus bens, mas isso é para proveito da comunidade. Há muitos dons e carismas, são como os nossos membros, mas o que nos une ao Pai, ao Filho e O Espirito Santos que se torna visível no amor infinito de Deus agindo no meio de nós.(cf.1Cor 12,4-11)

No Evangelho de São João, percebemos o primeiro sinal de Jesus na sua vida publica e ela nos revela uma realidade muito profunda. O que houve no episodia das Bodas de Caná é para atestar o amor que Deus tem a cada um de nós.. Deus quer a nossa alegria e felicidade plena. É a experiência da festa do Reino acontecendo entre nós. O noivo é entendido como Jesus, o esposo no meio de nós, pois e Ele está no mundo para celebrar as bodas de Deus com a nossa humanidade.

            A cena do casamento nos leva ao contexto da Aliança entre o Povo de Deus (Israel) com seu Deus. Sabemos que aliança há uma escassez quando se fala na falta do vinho.  Aqui o vinho simboliza o amor, alegria e a festa do esposo com a esposa.

A antiga aliança demostrou desgastada e seca, já não tinha um amor inflamado e nem alegria de estar com o Senhor. A festa já tinha perdido o brilho e ninguém queria mais festejar.. Algo já não proporcionava aquele belo encontro de Deus com seu Povo , Israel devido as varias transgressões e afastamento da aliança que Deus fez com esse povo, já perdeu todo sentido para eles. Como podemos identificar esta falência de relacionamento do Povo com Deus?

Isso pode se notar na "seis talhas de pedra destinadas à purificação dos judeus". Sabemos que o numero 6 nos transporto por imperfeição algo incompleto. A pedra nos leva ao contexto das Tabuas da Lei que foi dada a Moisés no Sinai e também a Ezequiel que dizia que o povo estava com coração de pedra. Sobre a purificação nos remete aos ritos e exigências da antiga Lei. O povo acha que era a lei impositiva de Deus e que era temido, mas não amado ao ponto de querer-se ficar perto do Deus da vida. As talhas vazias significam que esses utensílios já eram inúteis e ineficazes, já não serviam para aproximar os homens a Deus.

O que significa as Bodas de Caná sem o vinho? Isso nos reme a situação que o povo vivia, já sem motivação, desiludido e sem satisfação. O amor estava na observação da lei e nada mais disso. Jesus é o vinho novo, o que  era velho vai ser substituído pelo novo agir em gestos e palavra de Jesus no mundo. Um Cristo que atende ao pedido de Maria, a nova mulher: “façam tudo o que ele vos disser”. Agora Maria é diferente de Eva, pede para ter a alegria, vida e felicidade de volta ao casamento e não como foi Eva que fez cair sobre a humanidade o pecado e a morte.

            Aqui há algo diferente no cenário das Bodas  com atuação de personagem como:

1.                       Maria, a mãe que é previdente, ela percebeu que não havia mais o vinho, mas tem iniciativa e é providente, aponta um caminho para a solução que é Jesus, Ela é perseverante na aparente indiferença de Cristo quando diz O que quer de mim, ainda não chegou a minha hora,
2.     
             O Chefe de mesa, o que tem a responsabilidade de dirigir a festa, ele representa os dirigentes judeus daquela época. Esses não perceberam que a antiga Lei já não atendia mais, pois a Antiga Aliança caducou.

3.                     Os serventes são aquele que colaboram com o Messias, pois se mostram que estão disponíveis a fazer tudo que Jesus disser para que haja uma nova realidade em que Aliança seja renovada e vitalizada em Cristo.

4.                   Agora Jesus é o esposo fiel, um Israel fiel com a mulher fiel, representada pela mãe de Jesus, que dirige a Ele. Uma obra nova acontece com Jesus, o vinho torna-se presente e é o melhor. A transformação da realidade que deve partir da conversão e mudança de vida que vai ser percebido nas transformações de vida, sem pecado da pessoas.

                 Com Jesus, temos a alegria, a vida e o amor de volta. Sabemos que tudo isso é quando chegar a hora de Jesus, mas ela foi antecipada pelo pedido da mãe, mulher fiel aos desígnios de Deus, Maria. Então alegria vem para todos os convidados, o noivo e a esposa fiel, que hoje somos todos nós. . (cf. Jo 2,1-11)

                 Que esta liturgia nos ajude a vivemos uma vida de relações novas a onde priorizamos a alegria, a festa e o amor.

Tudo por Jesus nada sem Maria 

Bacharel em Teologia Jose Benedito Schumann Cunha


O batismo nos habilita a sermos missionários do Senhor


Queridos irmãos e irmãs, estamos iniciando o Tempo Comum e a liturgia de hoje nos apresenta o Batismo do Senhor, que é o inicio da vida publica de Jesus no mundo.

Esse inicio começa com a esta festa, O Batismo de Jesus. Ele não precisava disso, pois Ele é Deus, mas quis nos ensinar que se deve estar submisso a vontade de Deus Pai, assumindo compromisso com a nossa salvação e nós devemos abraça a missão de nos convertermos sempre e ajudar na missão evangelizadora da Igreja.

No livro do Profeta Isaías nos fala do servo, que para nós é Jesus Cristo. Aqui é escolhido por Deus e enviado a humanidade toda. A sua finalidade é restaurar a justiça e a paz. Isso vem através de gestos e palavras nas nossas ações no mundo. Jesus fez isso e nós devemos ser seus seguidores, renovando o mundo com nossas atitudes boas para que esse mundo seja melhor. (cf. Is 42,1-4.6-7)

No Livro dos Atos dos Apóstolos temos o Batismo de Cornélio. Aqui há testemunho de Pedro e uma demonstração de uma catequese valida  para os que abraçam a fé. Ele e toda a família são batizados, portanto ate as crianças são acolhidas e batizadas. Esse fato a Igreja primitiva e até hoje batiza crianças também de uma família cristã que vive plenamente a fé. Temos um pagão que vai participar da Igreja e Cornélio foi admitido por um Apostolo. Não podemos excluir ninguém que queira abraça a fé em Cristo e por causa disso serem batizados. (cf. At 10, 34-38)

O evangelista Lucas nos mostra o Batismo de Jesus por João Batista no Jordão. Aqui vemos claramente que Jesus, o filho de Deus que é o enviado do Pai através do Espirito Santo em forma de pomba que repousa sobre os ombros de Jesus. O episodio do Batismo de Jesus se apresenta por três momentos de epifania que são: “Os céus se abriram” isso quer nos dizer que Deus encerrou o seu silencio a humanidade, agora é o próprio Deus que nos fala.

É um amigo que vem até nós , fazendo caminha conosco rumo a salvação prometida de Deus a todos. "O Espírito Santo desceu sob a forma de Pomba": é sinal de libertação do pecado a nós, como foi no final do Diluvio a aonde a pomba veio com ramo de arvore anunciando que a terra esta livre e que poderíamos vivem com segurança, pois Deus tinha dado uma oportunidade a humanidade sob comando de Noé e por fim "Ouviu-se uma voz do céu...":isso nos quer  dizer que foi rompido o silencio de Deus que ficou calado por 300 anos e o povo não ouvia a voz dos profetas.

Agora a humanidade recebe a Trindade, Isto na voz de Deus Pai, da presença do Espirito Santo e do Filho. (cf. Lc 3. 15-16.21-22) Jesus não precisava desse batismo, pois o Batismo de João era de penitência e conversão. O gesto de Jesus ir a João e pedir o Batismo era para mostra o inicio da missão de Jesus que ia fazer no mundo. Ele assume as nossas dores e o nosso pecado para que possamos ser novamente agraciado pela graça da salvação trazido por Ele.

Que esta liturgia de hoje nos faça refletir da nossa missão de batizados e que possamos assumir compromisso com a Igreja de saída para que todos sejam evangelizados para poder viver bem no mundo, trazendo justiça e paz para todos.

Tudo Por Jesus nada sem Maria!

Jose Benedito Schumann Cunha
Tecnologia do Blogger.