A lei de Deus e a nossa ação de cristão no mundo

Resultado de imagem para imagem da lei de Deus

Queridos irmãos e irmãs, estamos celebrando nesse domingo, 0 6º Domingo do tempo comum, e vamos conhecer melhor sobre a Lei de Deus e a nossa atitude diante dela no mundo. A lei é um sinal importante para nos guiar nesse mundo. Ela não é algo proibitivo e nem rompe com a nossa liberdade de agir no mundo.

No livro do Eclesiásticos no mostra Deus é o que propõem a lei para nós. Foi para Israel uma forma de aliança que gera liberdade e respeito pela vida e por Deus. Se quisermos se justo e santo devemos trilhar nos ensinamentos que vem da lei de Deus.

Ela é a forma consciente de nossa ação, mas com tempo foi desgastando o seu objetivo, passando por apenas um obrigação ou até seu desuso. .o mais importante é acolher com alegria e entusiasmos a lei de Deus. (cf. Eclo 5,16-21)

No evangelho de São Mateus temos uma exortação de Jesus a todos nós: “Se a vossa justiça não for maior que a justiça dos escribas e fariseus, não entrareis no Reino dos céus!" (Mt 5,17-37). Nós devemos ser fiel no cumprimento da lei como algo importante para a nossa vida. Não é um legalismo mas uma forma de  cada um corresponder com a fidelidade de Deus.

Lá tem uma chamada de atenção referente ao homicídio (não matarás), ao adultério, ao divórcio e ao juramento. Se de fato tomarmos consciência da lei nesses aspectos mencionados, o mundo torna-se justo e fraterno. Deus ama a união sincera, a vida que deve ser respeitada e a fidelidade que é o espelho da fidelidade de Deus.

 Assim diz o salmista: "Feliz quem tem vida pura e segue a Lei do Senhor".

Deus nos ensina com sabedoria e muitas vezes a nossa sabedoria é bem diferente a de Deus. (Cf. 1Cor 2,6-10) portanto devemos procurar ser justos e santos diante da vida nossa e a dos outros.

Que esta liturgia nos ajude a sermos santos. E quando vivermos na observância da lei para que a nossa pratica seja justa e santa diante de Deus e dos nossos irmãs.
Tudo por Jesus nada sem Maria

Bacharel em Teologia Jose B. Schumann Cunha

Domingo da Apresentação de Jesus no Templo


 Resultado de imagem para imagem da apresentação de jesus

Queridos irmãos e irmãs, após decorridos os 40 dias depois do Natal, a Igreja nesse domingo nos introduz a um acontecimento que é Apresentação do Senhor. Isso é uma festa da vida. É o que fazemos antes de batizar as crianças. Elas são apresentadas a comunidade que temos uma vida que será logo eleita pelo Batismo a condição de filho de Deus, sai do aspecto do natural para uma realidade espiritual, pois no corpo da criança habitará a TRINDADE SANTA. Esse é mais um presente que podemos dar a uma criança que pela graça de Deus vai se desenvolver e receber os dons necessários para amadurecer na fé em Deus na família, na comunidade cristã e no mundo.

Nós podemos notar uma coisa espetacular o numero 40 que se destaca na bíblia no evento do diluvio, de Moisés no Êxodo, de Elias e do Deserto onde Jesus fica por 40 dias jejuando, orando e lá resistiu a investida do demônio. Essa apresentação de Jesus e a purificação de Maria estavam em conformidade da Lei  e tudo isso para cumprir a justiça de Deus.

No livro de Malaquias nos mostra o mensageiro da aliança que vai ao Templo e lá se oficializa o voto de renovação e concretizado na oferta de uma oferenda. Desse modo se cumpre em Jesus. Ele é o mensageiro que renova a esperança de vida que está simbolizada na forma de duas rolinhas. É a oferta da vida. (cf Ml 3,1-4)

Na carta ao hebreus nos mostra que Jesus é a ponte de Deus a nós, pois é Ele que dá a salvação definitiva e o perdão de nossos pecados através do sacrifício Dele na morte de Cruz. Uma morte no madeiro, fruto da árvore que outra era ocasião do pecado e da morte, mas agora vai ser a ponte da morte para vida. Uma morte que derrama todo sangue a favor da humanidade que se transforma na gloriosa ressurreição de Jesus. (Hb 2,14-18)

No Evangelho de São Lucas, temos o episodio da apresentação de Jesus e a purificação de Maria. Esse ato da família de Nazaré é para cumprir a Lei. Podemos notar que Jesus é modelo de obediência a vontade de Deus Pai. Essa ação deles nos ensinam muito enquanto família. Se temos alegria de formar família e ter a preocupação de criar bem seus filhos, então porque então começando a consagrar eles a Deus. Aqui temos os testemunhos de Ana e Simeão, diante da família de Nazaré e nós quando participamos do Batismo de alguém, nós podemos agradecer as bençãos e as graças que a comunidade irradia a todos os lugares que ela está. (cf Lc 2,22-40)

A Igreja nos convida a participar dela através do sacramento do Batismo, por isso é muito bom já consagrar a criança a Deus e batizá-la e dessa maneira a criança começa a sua trajetória de vida na graça da Trindade infundida no Batismo. A casa de cada um de nós é uma Igreja domestica, por isso é bom orar quando levantarmos e nas principais refeições que fazemos, orarmos e agradecer pelo alimento que temos. E ao deitar fazermos o mesmo, agradecer por tudo que Deus nos dá pela sua graça incondicional a nós. Essa é a melhor catequese que a família pode dar a seus filhos. As coisas materiais que damos as crianças vão ter sentido se Deus estiver primeiro lugar em cada um de nós.

Saberemos que a vida é partilha, solidariedade, perdão, ensinamentos, amor e serviço aso que estão perto de nós e na comunidade em que vivemos.

Somos missionários de Cristo para que esse mundo tenha as matizes da justiça de Deus. Que as mesas sejam momento de partilha e a Palavra de Deus um alimento essencial para a nossa vida comunitária e espiritual.

Que essa liturgia seja um momento de luz que ilumina a nossa vida e Maria aponte o caminho a Jesus que devemos seguir tudo por Jesus nada sem Maria.

Bacharel em Teologia Jose Benedito Schumann Cunha


Anúncio do Reino por Jesus e seus colaboradores

Resultado de imagem para encuentro personal con jesus


Queridos irmãos e irmãs, estamos caminhando com a vida pública de Jesus, aqui é o começo do anuncio do Reino de Deus a ser implantado entre nós. Podemos tomar conhecimento sobre o chamados dos primeiros discípulos.

No livro de Isaias nos fala da luz que surgirá e brilhará na Galileia e ela vai iluminar todos os cantos da terra. Ela vai dissipar as trevas que oprimem as pessoas e assim vai ser uma tempo de alegria e paz. Esse fato é como que acontece quando as pessoas plantam e fazem uma colheita abundante. Isso é maravilhoso. Aqui podemos entender que essa luz é Cristo, pois Ele á a nova notícia que alimenta a esperança e dá veracidade a profecia de Isaias. Deus nunca falha e é sempre fiel as suas promessas. Jesus é a presença de Deus no mundo para derrubar as barreiras, as cercas e os muros que impedem as pessoas serem felizes. (CF. Is 98, 23b-9,3)

Na Primeira Carta de São Paulo aso Coríntios nos exorta para que cada um seja porta voz da paz, da concórdia e do entendimento. O nosso batismo nos aderi a Cristo e não há outros deuses para nós. Não podemos seguir ídolos humanos, mas somente a Cristo. Se estamos na Igreja é por causa de Cristo e a nossa missão é ser irmãos uns dos outros na comunidade. Jesus é o caminho, a verdade e a vida, e através Dele vem a salvação de Deus para nós. Não podemos fechar em grupos, mas servir a Cristo com todos na comunidade cristã. (cf. 1Cor 1,10-13.17)

No Evangelho de Mateus confirma para nós a grande notícia predita em Isaias: "O Povo que vivia nas trevas viu uma grande luz". Esse anuncia já sentimos na noite de Natal. A boa notícia do Reino vem até nós em Jesus e Esse chama os primeiros para essa novidade. Eles recebem por primeiro a alegria de pertencer ao Reino de Deus com adesão a Jesus pela salvação tão esperada por todos. Esse reino de Deus será espalhado por toda a terra.   (cf Mt 4,12-23)

Interessante, a missão de Jesus com seus discípulos começa numa região pobre e oprimida. O nosso Deus é libertador da opressão dos poderosos ao humildes e indefesos. Aqui é os humildes pescadores que ouvem o chamado e vão ao encontro de Jesus. Quando encontramos eco das nossas vozes que clamam por Justiça, Deus vem. Sabemos que os centros econômicos sempre oprimem os mais fracos e desprovidos do nosso tempo. Somos chamado a partilhar, a solidarizar e viver no mundo, procurando meios para que todos possas viver bem no banquete da vida.

Jesus como naquele tempos, nos chama para ser colaboradores que colocam a serviço de todos sem buscar algum interesse individual, mas os valores do Reino para todos.

Que esta liturgia nos ajude a sermos verdadeiros discípulos de Cristo no mundo que grita por igualdade, por oportunidade, por pão material e espiritual.
Tudo por Jesus nada sem Maria

Bacharel em Teologia Jose Benedito Schumann Cunha



Tecnologia do Blogger.