Antes de tratarmos desta questão, seria conveniente esclarecer a todos os fiéis católicos, quais são as normas da Igreja Católica em questões das Aparições, dentro das quais os pastores , bispos e padres, devem agir, orientando suas atividades e ação pastoral. Para isso, trouxemos alguns estudos colhidos sobre Aparições pelo Padre René Laurentin, um dos maiores senão o maior mariólogo, teólogo de fama internacional. Como este Padre é um importante representante de nossa Igreja Católica nos estudos de Aparições e suas afirmações são acatadas pelo Vaticano, e como devemos manter a unidade e submissão à nossa Igreja, achamos útil fornecermos algumas passagens desde documento que podem nos ajudar no discernimento do fato sobre as Aparições.

Quais São as normas da Igreja Católica em questões de Aparições?

Resposta: A Igreja Católica Apostólica Romana dá as seguintes normas sobre o modo como devem orientar-se as autoridades eclesiásticas nos casos de Aparições.
" Se Roma, mesmo depois de ter tomado minuciosas informações, não se apressa em dissuadir e reprimir (a participação nas orações)... é porque o documento elaborado pela Congregação para a doutrina da Fé, no tempo do Cardela Seper, apresenta uma sábia distinção que insiste em articular melhor juízo e pastoral em matéria de Aparições.
É certamente importante, que o discernimento seja elaborado com todos os meios científicos possíveis... Não se deve porém, perder de vista que as aparições são um fenômeno de fé dentro do povo de Deus e que os videntes e os cristãos envolvidos neste fenômeno devem ser assumidos pastoralmente do modo melhor e não do pior.

Como julgar Corretamente uma Aparição?

Resposta: " É necessário um trabalho imenso para julgar corretamente uma aparição. Lourdes exigiu-me mais de vinte anos; Pontmain mais de cinco anos; a Medalha Milagrosa, nove anos; e tudo isso com a ajuda de grupos de estudos... Medjugorje custou-me já dezoito viagens e milhares de horas de trabalho. Estou, portanto, em condições de avaliar os limites e relatividade de um juízo global sobre tantas aparições das quais tivera apenas um breve (rápido) conhecimento." (Pe. René Laurentin, Le Apparizioni della Vergine, p. 55)

Os fatores que desprezam e reprimiram as aparições fizeram prevalecer princípios hoje muito usados mas devem ser abolidos. Por exemplo este: "Até que uma aparição não for reconhecida oficialmente pela Igreja, não se deve falar dela e não se deve ir aos lugares de aparição." Esta não é absolutamente a posição Tradicional da Igreja.
Superemos, portanto, como o Concílio Vaticano II, o rígido vínculo que transforma os fiéis leigos em autômatos , capazes somente de esperar cegamente, encurralados em uma obediência passiva , tanto antes como depois do juízo da Igreja: antes devem manter abstenção de julgar , depois só lhes resta a submissão. Esta passividade é contrária à própria essência da vida cristã e da sua liberdade, porque os fiéis leigos e a autoridade vivem da Graça de Deus, da Luz do Espírito Santo. Eles participam dela e cooperam no discernimento das aparições."
(Pe. René Laurentin, Le Apparizioni della Vergine, p. 38s)
Portanto a partir deste esclarecimento e do conhecimento das normas da Igreja nestes casos de Aparições, podemos afirmar que não se encontram em nenhum tipo de desobediência os fiéis católicos que freqüentam ou participam de presumíveis lugares de aparições da Santíssima Virgem ou de Seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo. Infelizmente alguns padres insistem em dizer que são desobedientes , que se encontram em desobediência à Igreja os fiéis que vão aos lugares de aparições e lá rezarem.
Na verdade são eles quem se encontram em desobediência às Normas da Igreja a que juraram fidelidade e também ao sucessor legítimo de Pedro, o Papa João Paulo II, quando, "abusando da sua autoridade" , ameaçam os fiéis que vão aos locais de aparição acusando-os de "desobediência à Igreja" tentando desta forma dissuadi-los de irem lá para rezar e, assim, encerrá-los a todos na real desobediência em que eles mesmos se encontram. Agindo assim, vão contra os exemplos do próprio Papa João Paulo II que confirmam os escritos do Padre René Laurentin sobre as aparições, se pronunciando (o Papa), sempre que interpelado, de acordo com as "Normas da Santa Sé", como narram estas duas testemunhas:

"Uma vez o Bispo de Pescara perguntou ao Papa como comportar-se com os fiéis que vão a Medjugorje, e o Papa perguntou-lhe:
" - O que fazem ali os peregrinos?"
Respondeu o Bispo: "-Rezam, se confessam e fazem penitência!"
E o Papa acrescentou: "- Então deixe as pessoas irem!"
(Dom Franco Rodeo, Bispo da Eslovênia, a Pe. Slavko, maio de 1997)

Narra o Arcebispo Metropolitano da Arquidiocese de Maringá, no Paraná, Dom Murílio Krieger: "Antes de ir à Medjugorje , encontrei-me com o Santo Padre em uma audiência particular e lhe disse: Vou a Medjugorje pela quarta vez, ficarei lá uma semana. O Papa, então concentrou-se um pouco e depois acrescentou: "Medjugorje, Medjugorje, é um centro mundial de espiritualidade" (Da Sveta Bastina, Abril 1990)


--------------------------------------------------------------------------------

Ótimas Observações

Sabemos que as Aparições de Nossa Senhora em La Salette, França, no ano de 1846, levaram cinco anos para serem reconhecidas. As Aparições de Lourdes, na França, levaram cinco anos também. Fátima, em Portugal esperou 13 anos para uma proclamação favorável da Igreja, enquanto Guadalupe ficou à espera de uma declaração oficial da Igreja por 100 anos.
Há também o caso de Medjugorje, na ex-Iugoslávia, onde Nossa Senhora aparece já há 19 anos, e não há previsão para o fim das Aparições... E porque as Aparições ainda não acabaram, a Igreja não pode dar um parecer, devido ao fato de os acontecimentos ainda estarem-se desenvolvendo. Tanto em Medjugorje como em Jacareí, a Virgem Santíssima prometeu aparecer aos videntes uma vez por ano, até o fim de suas vidas. Portanto, se eles viverem mais 40 anos, por exemplo, as Aparições ainda ocorrerão uma vez por ano, durante mais 40 anos.
Já que a Igreja espera pelo término das mesmas para se pronunciar, chega-se então à conclusão de que as pessoas que esperam uma definição oficial da Igreja para crer e pôr em prática os Pedidos de Jesus e Maria nas Suas Aparições espalhadas pelo mundo todo, poderão morrer antes e não verão esta proclamação da Igreja e, por conseqüência, nunca praticarão as Mensagens.
Há algumas Aparições que nunca foram reconhecidas pela Igreja, porém, o povo construiu Grandes Santuários no local, vai em massa nesses lugares para rezar, recebem Graças de Nossa Senhora e voltam transformados para casa. É o caso, por exemplo, das Aparições de Nossa Senhora das Graças, em Paris, onde revelou a Medalha Milagrosa a Santa Catarina Labouré, que NUNCA FORAM APROVADAS pela Igreja, contudo, o próprio Papa João Paulo II foi em peregrinação à Capela da Rue du Bac, onde se deram as Aparições. Nesta Capela estão os corpos intactos de Santa Catarina Labouré, que viu Nossa Senhora, e de Santa Luíza Marillac, fundadora da Congregação religiosa a que pertencia Santa Catarina.


Em Pontmain, também na França, a Igreja NUNCA SE PRONUNCIOU sobre a autenticidade das Aparições, porém, o povo vai lá rezar em multidões e acontecem grandes Graças... NÃO É NECESSÁRIO que haja uma declaração da Igreja a esse respeito para se crer numa Aparição, pois em todos os lugares em que Jesus e Nossa Senhora apareceram, a Igreja sempre foi a última a chegar e acreditar. Não se deve ficar preocupado com declarações e posições oficiais da Igreja, e sim, com a conversão diária, que é sumamente importante e que demonstrará ao mundo inteiro a luminosa Presença Celeste nos locais das Aparições, e com a obediência às Mensagens de Nosso Senhor e Nossa Senhora, que é o que nos levará à Salvação.
Sabemos pelos estudos do padre René Laurentin, que as normas corretas que a Igreja toma com respeito às Aparições são bem claras: NÃO PROIBIR aos fiéis de ir aos locais das Aparições para rezar e o mais possível, dar-lhes a MELHOR assistência Pastoral. Portanto, os que ESTÃO EM DESOBEDIÊNCIA SÃO OS SACERDOTES e BISPOS QUE PROIBEM O POVO DE IR ÀS APARIÇÕES e não OS FIÉIS QUE VÃO às Aparições para rezar. Não deixemos que ninguém nos engane; nos inculque temores ou falsos pesos na nossa consciência e nem nos domine.


Esta geral descrença que ocorre hoje na Igreja e no mundo com respeito aos Milagres e Aparições é um sinal claro de que a "fumaça de satanás que entrou na Igreja por alguma abertura" da qual falava o papa Paulo VI; obscureceu as mentes, os espíritos e as inteligências, cegando-as e impedindo-as de verem a urgente intervenção de DEUS em nossos tempos.
Em Jacareí, a Igreja tem se mantido distante dos fatos. Nenhum dos sacerdotes acredita, e todos atacam as Aparições em suas homilias, sermões, jornais, programas de rádio, de televisão e por todos os meios que podem. O Bispo da diocese de São José dos Campos vive enviando cartas, fax e comunicados para as paróquias e dioceses do País, dizendo que as Aparições são falsas e que não se devem fazer peregrinações para Jacareí... e por conseguinte, todos os movimentos, pastorais e grupos da Igreja (incluindo a renovação carismática) também atacam, perseguem e desprezam as Aparições de Jacareí. Muitos tentam de todos os modos combater as Aparições, procurando dissuadir as pessoas de irem ao local das mesmas... Inutilmente, pois há uma força sobrenatural que a todos atrai para aquele local Bendito das Aparições de Jacareí, para a oração e para DEUS, Nosso Senhor, e quando chega a hora, o povo aflui de todas as partes para escutar as Mensagens dos Sacratíssimos Corações de Jesus, Maria e São José.
Numerosas conversões têm se verificado por toda a parte desde que Nossa Senhora começou a aparecer em Jacareí. Mais evidente que isso, é impossível!
No entanto, sabemos que no fim, os Dois Sagrados Corações TRIUNFARÃO, e ficará patente aos olhos de todos a VERDADE, e felizes aqueles que acreditaram sem ter visto, e puseram em prática as Mensagens do Céu.

Postar um comentário

Estevan G. Gonçalves disse... 17 de julho de 2012 13:10

Só para consertar um erro. A aparição de Nossa Senhora das Graças foi reconhecida pelo Arcebispo de Paris. O reconhecimento, ainda que local após um inquérito é oficial e válido para a Igreja.

Paz e bem.

Alexandre Assunção disse... 11 de setembro de 2013 11:38

Um estudo do próprio teólogo Pe. Laurentin , afirma que possivelmente após Fátima Mendjoure e Lourdes próxima aparição de Nossa Senhora se daria ao horario das 18:00 hs.
E na 1ª aparição em Jacareí o menino foi interrompido ao fazer sinal da cruz. Isso é questionável! Deus abençoe! Alexandre Assunção

Tecnologia do Blogger.