A Igreja de Cristo é ornada pelos seus santos que militam no mundo e outros já estão na glória de Deus. O Reino de Deus é iluminado pelas estrelas de vidas que se configuram com a de Cristo. Diz Jesus: Que me segue não anda nas trevas e também quem está unido a Cristo produzem muitos bons frutos. Os santos são testemunhas vivas que Deus age na historia humana produzindo o perfume das boas obras e do amor partilhado com todos.
"As bem-aventuranças são dons de Deus, e nós temos que ser muito agradecidos por isso e pelas recompensas dele recebidas". Foi o que afirmou o Papa Bento XVI na mensagem que antecedeu a oração do Ângelus deste domingo, 30, no Vaticano. Ao refletir sobre o Evangelho deste domingo, o Santo Padre explica que a liturgia nos apresenta o "primeiro grande discurso que o Senhor fala ao povo sobre as colinas ao redor do Mar da Galiléia" (http://www.cancaonova.com/).
Jesus na "'cátedra' da montanha" proclama "bem-aventurados" os pobres de espírito, os aflitos, os misericordiosos, os que têm fome de justiça, os puros de coração e os perseguidos. "A mensagem que Cristo lança na montanha (...) é dirigida ao mundo inteiro no presente e no futuro e pode ser compreendida e vivida somente seguindo Jesus", explicou Bento XVI. "Não se trata de uma nova ideologia, mas de um ensinamento que vem do alto e toca a condição humana, justamente aquela que o Senhor, encarnando-se, quis assumir para salvá-la", destacou.
O Santo Padre explicou ainda que "as Bem-aventuranças são um novo programa de vida, para libertar-se dos falsos valores do mundo e abrir-se aos verdadeiros bens, presentes e futuros. De fato, quando Deus consola, sacia a fome de justiça, enxuga as lágrimas dos aflitos, significa que, além de recompensar cada um de modo sensível, abre o Reino dos Céus." E acrescentou: "as Bem-aventuranças são a transposição da cruz e da ressurreição na existência dos discípulos. Eles refletem a vida do Filho de Deus que se deixa perseguir, desprezar até a morte, a fim de que a salvação seja concedida aos homens" (http://www.cancaonova.com/).
Segundo Bento XVI, tal atitude incidiu profundamente nos dois mil anos de história da Igreja. "O Evangelho das Bem-aventuranças se comenta com a própria história da Igreja, a história da santidade cristã, porque – como escreve São Paulo – 'o que é fraqueza no mundo, Deus o escolheu para confundir o que é forte; o que é vil e desprezado para o mundo, o que não é, Deus escolheu para reduzir a nada o que é' (1 Cor 1,27-28). Por isso a Igreja não teme a pobreza, o desprezo, a perseguição numa sociedade muitas vezes atraída pelo bem-estar material e pelo poder mundano". Ao final da oração do Ângelus, o Papa recordou o Dia mundial de luta contra a hanseníase e o "Dia internacional de intercessão pela paz na Terra Santa". Acompanhado por dois adolescentes da Ação Católica Italiana da Diocese de Roma, o Santo Padre concluiu soltando duas pombas da janela de seus aposentos (http://www.cancaonova.com/).
Assim, iluminados pelas palavras sabias do nosso papa Bento XVI podemos prosseguir a nossa caminhada nesse mundo, fazendo bem a todos e testemunhando Jesus Cristo com um ardor missionário. O nosso coração tem que ser simples, puro, humilde, desapegado, propagador da paz e da justiça em todos os lugares que a pessoa humana se situa. O cristão deve ser solidário, compassivo e aceitar as cruzes desta vida para ressuscitar com Cristo, que está vivo e vitorioso. Jesus é que vai dar força a todos aqueles que querem estar em comunhão com Ele com todos na comunidade cristã, na família, na sociedade. Sabemos onde depositamos a nossa vida, pois em Cristo somos mais que vencedores, temos Nele a vida eterna. Amém.

Bacharel em Teologia José Benedito Schumann Cunha 30-01-2011

Postar um comentário

Bacharel em teologia Jose Benedito Schumann Cunha disse... 30 de janeiro de 2011 19:18

errata: a fonte correta tirada foi (www.cancaonova.com)- Bacharel em teologia Jose Benedito Schumann Cunha

Tecnologia do Blogger.